BLECAUTE 19!

Em destaque

capablecaute19

 

Editorial

Habemus Blecaute!

     Ave! Finalmente sai a 19º Revista Blecaute! Antes tarde do que nunca, gostaríamos de justificar nosso injusto atraso com uma data vênia: alguns dos nossos editores estiveram, por estes meses, assumindo atividades diversas, passando por mudanças geográficas e pessoais. Foi tamanha a mudança que a Revista Blecaute, a partir deste primeiro número de 2015, passará a ser semestral. Isso mesmo, com vistas a garantir a mesma qualidade de sempre e, apesar de nossas múltiplas atividades, também buscando se adequar aos projetos dos editores, a Blecaute optou por ser uma revista semestral, como aliás é costume entre publicações de viés acadêmico e literário. Esperamos, com essa mudança, a compreensão e o mesmo carinho de todos os leitores que nos acompanham nestes quase sete anos de atividades.
Com a periodicidade semestral, a Blecaute também busca se constituir como um espaço de debates e discussões mais elaboradas, abrindo maior espaço para a crítica literária, artigos acadêmicos, resenhas e ensaios. De acordo com o conceito Qualis conferido pela CAPES (Comissão de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) à Revista Blecaute, obtivemos a distinção B5 em Literatura/Linguística, o que nos qualifica, sendo a Blecaute uma revista que não se encontra associada a nenhuma universidade. Acadêmica e também literária, a Blecaute prima pela qualidade dos contistas, poetas, críticos, artistas e demais intelectuais que nos honram com a publicação de um material de qualidade, merecedor dos olhos criteriosos de nossos leitores.
É com esse clima de retorno que brindamos ao leitor com um conto exclusivo do escritor Bráulio Tavares, e ainda com a publicação de um trecho do romance vencedor do Prêmio Pernambuco de Literatura 2015, Ascensão e Queda, da autoria de Wander Shirukaya. Nesta mesma edição, contos de Nathalie Lourenço e Julia Antuerpem reatualizam a Blecaute dentro da cena literária paulistana, apresentando uma amostra de duas boas escritoras do gênero. Entre os colunistas, Reynaldo Bessa homenageia Gabriel Garcia Márquez e Valdênio Menezes rendem messes às saudades na coluna O Aeropago. Sem contar Franklin Jorge, que nos deleita falando de Virginia Woolf; Welligton Medeiros, sobre o inventivo artista Luiz Barroso. Somam-se, ainda, as colunas visuais de Raoni Xavier e Will Simões, parceiros queridos da revista. São muitas emoções para um só retorno!
Na poesia, um painel de alguns dos mais representativos poetas da jovem literatura brasileira contemporânea: Diego Callazans, Vanessa Regina, Diego Mendes e Belle Júnior estão na companhia do experiente poeta e crítico literário paraibano Hildeberto Barbosa Filho. No ensaio, temos um dos mais importantes estudiosos da literatura de cordel, Aderaldo Luciano, paraibano radicado no Rio de Janeiro, além dos jovens escritores e mestres em literatura pela Universidade Estadual da Paraíba, Sidney Andrade e Jonhniere Ribeiro, que esboçaram estudos sobre ficcionistas paraibanos. Sem esquecer o artista Jos-One, revelação das artes visuais campinenses, ilustrando a nossa volta depois de muitos meses de ausência, compomos um belo quadro nesta edição.
Diante de um clima de diversidade e retorno às atividades, a Revista Blecaute preparou um sumário com a melhor e mais diversa equipe de autores selecionados para esta edição. Inaugurando a revista com o conto de Bráulio Tavares não seria, por fim, menos emblemático devotar ao mestre da literatura fantástica brasileira nossa mais sincera homenagem. Bráulio foi o ganhador do Prêmio Blecaute de Literatura em 2014, sucedido por Maria Valéria Rezende em 2015, que já publicou em edição passada.
Bráulio abre a revista com honrarias e distinções. Nada mais que o merecido para um grande escritor entre tantos outros.

Boa leitura!

Blecaute nº 17 – A busca pelo ideal

Em destaque

17

 

______________________________________

EDITORIAL

A busca pelo ideal


Tal qual a metáfora de Bilac sobre o poeta e o talhador, a Blecaute faz-se diamante torneado por aqueles que contribuem, editam e interpretam suas múltiplas formas e propostas de edição. Tivemos, sim, alterações ao longo dos anos: algumas que vieram para ficar, outras que foram meros experimentos. E, de repente, estamos aqui experimentando um novo visual neste número 17. Pensamos: qual a receptividade de uma edição adaptada ao futuro dos tablets e kindles? Você verá.

De outro lado, a presente edição sai atrasada, muito em devido a problemas pessoais e profissionais de alguns de seus editores nas diversas atividades que ocupam, entre professores, pesquisadores, escritores e artistas. A Blecaute, vale lembrar, não possui incentivos ou ganhos financeiros, sendo uma iniciativa em conjunto para difusão da literatura, formação de um clube de leitores e realização de eventos que priorizem a literatura acima de tudo, como o foi o Encontro das Traças, realizado em Campina Grande [veja]. Pedimos desculpas a nossos muitos leitores, colaboradores e colunistas. Temos um longo caminho pela frente e, a partir da próxima edição, esperamos voltar a publicar a revista regularmente.

Nesta edição de número 17, cuja capa é de livre inspiração do artista campinense Emídio Medeiros, além do visual trazemos uma diversidade de propostas, desde o conto de Mariel Reis (RJ) e Paula Mandel (SP) até os contos dos paraibanos Astier Basílio e Bruno Ribeiro. Seguindo a proposta acadêmica, temos o excelente artigo de Rafaella Teotônio (PB) sobre Valter Hugo Mãe, o ensaio do paraibano Thiago Lia Fook e o artigo sobre Newton Moreno escrito por Patrícia Barbosa (PB).

Na parte imagética, Flaw Mendes e o seu Poesia Imaginada reflete sobre o ofício da escrita e temos, enquanto participação honrada, Will Simões e sua estréia com “Mekatronia – o homem que vive dentro da caixa”. Entre os colunistas, Franklin Jorge (RN) escreve sobre o médico e escritor Eduardo Maffei; Reynaldo Bessa (SP) nos brinda com mais lições da prática literária com “poemas de uma bula de remédio: mãos à obra” e, por fim, o cronista Valdênio Menezes (PB) fecha com um “Cronograma de uma Faxina”.

Bem se vê que a Blecaute buscou cumprir mais uma vez seu objetivo nesta edição. Gostaríamos, por fim, de lamentar a ausência no ano de 2014 do V Encontro de Literatura Contemporânea. Evento na ativa desde o ano de 2010, este ano não foi possível devido a dificuldades de instalação em um lugar específico que pudesse atender às demandas do nosso público em termos de espaço e locomoção durante o carnaval.

Sentimos pela falta com nosso público e, sobretudo, com os amigos que compareceram ano após ano. Todavia, entramos em acordo sobre o fato de que 2014 é tempo para atender às reivindicações de um evento desta vez a ser realizado em outra época do ano. Um evento do próprio calendário da cidade de Campina Grande, independente e receptivo a sugestões, programações e alternativas. Sugestões, inclusive, que podem ser mandadas para nosso e-mail: revistablecaute@gmail.com

Boa leitura!

Os Editores

17b

Montagem – Flaw Mendes

Blecaute nº 15 – Quase 5 anos

Em destaque

índiceimagem

Quase 5 anos

Algumas coisas ocorrem sem que planejemos. Uma delas foi a Blecaute, em quase 5 anos de existência, revelar tantos e quantos autores nestas mesmas páginas que buscam superar fronteiras. Não fomos, claro, nem nunca seremos a experiência pioneira na democratização do acesso à literatura via internet: antes de nós, ideias diversas entraram em circulação, revelaram autores, criaram círculos importantes para se debater literatura. Em 5 anos, a Blecaute se propõe a fazer o mesmo, dentro e fora da Internet.

Nestes 5 anos lançamos o que houve de melhor entre grandes escritores paraibanos, nordestinos e brasileiros. Por Campina Grande (PB), passaram Rinaldo de Fernandes, André Ricardo Aguiar, Wellington Pereira , José Inácio Vieira de Melo, Hildeberto Barbosa Filho, Sérgio de Castro Pinto, Maria Valéria Rezende, Paulo Vieira, Bráulio Tavares, Roberto Menezes, Wander Shirukaya, Mercedes Cavalcanti, Mabel Amorim, André de Sena, Ricardo Kelmer, Linaldo Guedes, Bruno Ribeiro, Lau Siqueira, Antonio Mariano, Vitória Lima, Renato Tardivo, entre outros amigos – são tantos!

A partir deste debate com o grande público, temos mais de três mil e-mails que recebem a Revista Blecaute, sem falar naqueles que baixam dia após dia a Revista Blecaute em seu web site. Nossa grata vontade: propiciar uma proximidade entre escritor e leitor para além dos livros, das revistas e do ambiente virtual. Foram bate-papos, encontros, lançamentos, saraus e diversos círculos de conversa, troca de ideias, experiências, incursões pela noite boêmia e fria de Campina Grande. Sinta-se em casa.

Não por menos, neste número, alcançando conquistas já antes vislumbradas, provamos o estreitamento de nossas relações com outros movimentos literários, a exemplo dos movimentos em países lusófonos e de escritores publicados em nossa Revista oriundos de países africanos. Parte de nossa abertura para as artes visuais e outras linguagens, figuraram por todos os números da revista: a arte de artistas paraibanos, nordestinos e brasileiros de brilhante reconhecimento, seja em fotografias, seja em linguagens como quadrinhos e artes plásticas.

Em uma proposta de enquadrar ainda mais este universo, temos um artista de fôlego a ilustrar nossas edições e manter uma coluna fixa. Esperamos, como em toda revista, que o leitor se deleite com a diversidade de textos e experimentos estéticos que colhemos. Mais do que nunca, saberá que cada um dos leitores conquistados, uma repercussão que nestes quase 5 anos tem sido bastante positiva, constituem a mesma corrente grata de amigos a nos ver nos lançamentos, encontros e outros eventos.

O Núcleo Blecaute, corpo editorial da Revista, é mesmo um núcleo a se fortalecer de tantas forças girando em redor.

Os Editores

Blecaute n 14 – De Lygia a Luísa

Em destaque

indiceblecaute14

EDITORIAL

ENTRE LYGIA E LUÍSA

No mês das mulheres, a Revista Blecaute homenageia uma das maiores escritoras brasileiras. Lygia Fagundes Telles completará em abril 90 anos e não poderiamos deixar passar este momento de celebração tanto das mulheres como desta grande prosadora. O ponto alto desta menção vem a partir do ensaio do escritor e jornalista Suênio Campos de Lucena, um dos estudiosos da autora, com uma imperdível e impecável incursão sobre a obra de Lygia Fagundes Telles, sua importância para a literatura brasileira e, sobretudo, por ser uma grande contista, destaque entre os melhores do gênero.

De outro lado, jovem e recentemente consagrada entre as mais reconhecidas no gênero prosa, Luísa Geisler, gaúcha que participa da coletânea inglesa Granta, se apresenta como uma das revelações dos últimos anos, posto que vencedora do Prêmio Sesc de Literatura nas duas categorias que ele encerra: conto e romance, nos anos de 2011 e 2012. Luísa participa na Blecaute com o seu conto “invisible web”, não apenas mostrando a força contemporânea e jovem da literatura brasileira, mas também como as mulheres vem transformando nossa atual produção literária.

Outro grande destaque, em relação ao mês comemorativo que se apresenta, é o envolvente ensaio fotográfico de Mayara Silveira, intitulado “Alma não tem cor”, no qual se aborda o feminino a partir da beleza da diversidade étnica e da sensualidade. Neste trabalho salutar, o leitor terá o prazer de contemplar excelentes fotografias, onde a estética do feminino é expressada com cores e sentimentos.

E assim são outros poemas, contos e dicas de leitura, entre Nina Rizzi, Hercília Fernandes, Rozeane Lima, Sabrina Bezerra e Andresa Silva, mulheres presentes neste número especial. Uma homenagem às autoras e, certamente, às muitas leitoras que participam, lêem, sugerem e fazem da Blecaute uma revista plural como a própria literatura deve ser.

Os Editores

IV ENCONTRO DE LITERATURA CONTEMPORÂNEA – 2013

Em destaque


IV ENCONTRO DE LITERATURA CONTEMPORÂNEA

Entre os dias 10 e 11 de fevereiro, durante o XXII Encontro da Nova Consciência, em Campina Grande, ocorrerá o IV Encontro de Literatura Contemporânea. O evento que contará com palestras, bate-papos, lançamentos e sorteios de livros, terá como tema “Migrações e Divergências na Literatura”. A proposta visa a realizar um painel no que se refere a estas duas noções que operam nas fronteiras estéticas e espaciais da literatura brasileira e internacional.

As transgressões na poesia e na ficção, a espacialidade das autorias literárias, os grupos e os eventos alternativos na literatura, os paralelos entre a poesia brasileira e a da América Latina, o romance paraibano contemporâneo – estes e outros são alguns dos temas que serão discutidos ao longo destes dois dias de evento. A proposta ampla visa a destacar alguns dos principais debates no que se refere à Literatura Contemporânea e, em especial, a literatura paraibana.

Entre os destaques no IV Encontro temos a homenagem ao poeta paraibano Sérgio de Castro Pinto, realizada pelos membros do Núcleo Literário Blecaute. Autor de obras clássicas da poesia paraibana e brasileira, como “A Ilha na Ostra” e “Zoo Imaginário”, Sérgio de Castro Pinto é nacionalmente premiado e considerado pelos críticos e poetas contemporâneos como o maior poeta paraibano vivo.

Entre os destaques, também haverá uma série de lançamentos importantes: “Ouro dentro da Cabeça”, da romancista Maria Valéria Rezende; “Cores da Paixão”, da poetisa e romancista Mercedes Cavalcanti; “Rapunzel e outros poemas de infância”, do poeta Jairo Cézar; “Guia de Sobrevivência para fins dos tempos”, do romancista Ricardo Kelmer; “Palavras que devoram lágrimas (ou a Felicidade Cangaceira)”, do romancista Roberto Menezes e “O vôo da Borboleta Negra”, do dramaturgo e romancista Paulo Vieira. Além destes livros, haverá o lançamento da Revista de Literatura Erótica “Sexus”, dirigida pelo escritor Bruno Ribeiro.

O evento é uma promoção do Núcleo Literário Blecaute, formado pelos escritores Bruno Gaudêncio, João Matias e Janaílson Macêdo e pelo artista visual Flaw Mendes e da ONG Nova Consciência, responsável pelo XXII Encontro da Nova Consciência.

 

PROGRAMAÇÃO:

IV ENCONTRO DE LITERATURA CONTEMPORÂNEA
MIGRAÇÕES E DIVERGÊNCIAS NA LITERATURA
Local: Antigo Prédio do Curso de Administração da UEPB
(Centro de Campina Grande, ao lado dos Correios)

Datas/Horários: 10 e 11 de Fevereiro, das 10 ás 18 horas.
Organização: Núcleo Literário Blecaute/ XXII Encontro da Nova Consciência.

Dia 10 DE FEVEREIRO – DOMINGO

Palestra inicial (10 horas) – Sérgio de Castro Pinto (PB): “Poesia e transgressão”.
Mediador: Flaw Mendes (PB)
Homenagem a Sérgio de Castro Pinto (11: 30 horas): Núcleo Literário Blecaute (PB).

Bate-papo I (14 horas) – “Grupos literários e eventos alternativos” – Ricardo Kelmer (SP/CE) e Thiago Lia Fook (PB).
Mediador: Bruno Gaudêncio (PB)
Lançamento dos livro (15:30 horas): “Guia de Sobrevivência para fins dos tempos”, de Ricardo Kelmer.

Bate-papo II (16 horas) – Roberto Menezes (PB/PE) e Paulo Vieira (PB)– “Romance, Autoria e Autodefinição”
Mediador: João Matias de Oliveira (PB).

Lançamento dos livros (17:30 horas): “Palavras que devoram lágrimas (ou a Felicidade Cangaceira)”, de Roberto Menezes e “O vôo da Borboleta Negra”, de Paulo Vieira.

Dia 11 DE FEVEREIRO – SEGUNDA

Bate-papo III (10 horas) – Bruno Ribeiro (PB/MG) e Mercedes Cavalcanti (PB) – “Viagens, crônicas e ficções”
Mediador: Janailson Macêdo (PB)
Lançamento de livro e revista (11: 30 horas): “Cores da Paixão”, de Mercedes Cavalcanti (PB) e da “Revista Sexus”, dirigida por Bruno Ribeiro.

Bate-papo IV (14 horas) – Lau Siqueira (RS) e Vamberto Spinelli Júnior (PB) – “Poesia: Brasil e América Latina”
Mediador: Bruno Gaudêncio (PB)

Lançamento do livro (15: 30 horas): “Rapunzel e outros poemas de infância”, de Jairo Cézar.

Palestra final (16 horas) – “O lugar e o não-lugar na literatura” – Maria Valéria Rezende (PB/SP)
Mediador: João Matias de Oliveira (PB)
Lançamento do livro (17: 30 horas): “Ouro dentro da Cabeça”, de Maria Valéria Rezende.

Sorteios de livros (18 horas)

BLECAUTE Nº 13

Em destaque

Com alguns poucos dias de atraso eis que surge ela, serena, ao toque de violinos e o canto lírico de uma “caixa de almas”. O ano de 2012 se encerra com a Revista Blecaute Número 13, após ter a revista e sua equipe completado 04 anos de atividades no último dia 02 de novembro. Incrivelmente, dia dos mortos! A Blecaute mostra mais uma vez que sobrevive às irônicas datas do tempo para brindar aos leitores com uma parte do que julgamos o melhor, nos últimos meses, da literatura produzida nos países de língua portuguesa, no Brasil e na Paraíba, berço sede da publicação. São tantos autores quanto sotaques, tantas amizades quanto leitores ao longo de nossos quatro anos de atividade. Pelo prestígio, amizades, leituras e todas as críticas, elogios ou sugestões que nos foram feitos neste período, ficamos gratos. Imensamente gratos! Desejando a todos um próspero ano de 2013, fica aqui registrado nossos abraços literários para um ano com cada vez mais livros e literatura engrandecendo as almas.

Boa leitura!

Os Editores

Bruno Gaudêncio
Flaw Mendes
Janailson Macêdo
João Matias

SAIU A REVISTA BLECAUTE Nº12

Em destaque

Cara(o) Amiga(o)

Já se encontra no ar a 12ª Edição de Blecaute: uma revista de Literatura e Artes (Setembro de 2012). Baixe gratuitamente em versão completa ou por textos específicos:http://revistablecaute.com.br/edicao-atual/

A Blecaute é uma revista digital que tem como objetivo divulgar a produção literária e artística de todo Brasil, contando com colaboradores de vários estados do nordeste, do Brasil e membros dos países lusófonos que interajam de algum modo com a literatura atualmente produzida no Estado da Paraíba.Recentemente ganhamos o ISSN: 2238-930X, uma vitória do Núcleo Literário Blecaute, responsável pela revista.

Por favor, repasse esta edição da Blecaute para os seus contatos e ajude a divulgar esta iniciativa.
Obrigado e Boa Leitura!
Atenciosamente,

Bruno Gaudêncio
Flaw Mendes
Janaílson Macêdo
João Matias
(Os editores)